Desastre no Haiti – Ajuda humanitária ou Assistencialismo?

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013.
Por Rodrigo Bruno Sousa*


Após o abalo ocorrido no dia 12 de janeiro, estamos vendo ouvindo uma espetacular comoção mundial em ajudar aquela nação que se sabe é a mais pobre da América latina. E que desde 2004 a pedido da Organização das Nações Unidas (ONU) o Brasil possui um pelotão de soldados que colaboram com a ordem social diante de um sistema político-financeiro-social fragmentado. Entidade criada após a segunda guerra mundial, que tem como intuito apaziguar as relações entre os paises.
O que me inquieta é a ‘hipocrisia mundial política’ que instantaneamente mobilizou as forças das nações para remediar paliativamente as dores daquela nação que sofreu esses inúmeros abalos. Observa-se que esta se confirma no “discurso de salvação” pronunciado nada mais nada menos, pelo presidente dos EUA, Barak Obama, convocando a França; o Canadá; o Brasil e é claro o auto-supremo providente. Para a reconstrução estrutural (física), econômica quem sabe ate devolver a dignidade das pessoas. Isso me incomoda, não? Pra mim, é que se sabe de todos os danos que passam aquelas pessoas-cidadãos e por que não se toma iniciativas humanitárias de caráter político-economico para a reconstrução dessas pessoas?
 País, que segundo os noticiários se tornou um país dominado pelo trafico de drogas. Sabemos que toda ajuda é sempre bem vinda em se tratando de salvar pessoas. O que é inaceitável é que a ética capetalista, não visa ajuda humanitária, que ditada pela nova ordem mundial,
“Escuta-se dos paises do primeiro mundo a idéia de que crianças do terceiro mundo, acometidas por doenças como diarréia aguda, não deveriam ser salvas, pois tal recurso só prolongaria uma vida já destinada à miséria e ao sofrimento” *.

Diante de um arsenal de informações que estamos recebendo do ocorrido, me digam somente agora depois de uma dupla catástrofe a social que vem se arrastando há duas décadas e esta natural, que acabou de vez com o que restava de uma cidadania já escassa, querem somente agora tomar providencias salvificas de bom samaritano. Antes tarde do que nunca, mais por que não se age pela prevenção e não após o fato consumado?

* GARCIA, Regina L., VALLA Victor V. A fala dos excluídos. Cadernos Cede, 38, 1996. 



Sobre o Autor:
Rodrigo Bruno de Sousa*Rodrigo Bruno de Sousa Nasceu em Altamira no Pará em 82, é bacharel em Ciências Sociais e também graduando do curso de Ciências da Religião – UEPA e participa do Grupo de Pesquisa dos Movimentos, Instituições e Cultura Evangélica da Amazônia - MICEA

Comentários:

 
Blog do Tiago Sousa © Copyright 2010 | Design By Gothic Darkness |